7 atitudes dos donos de humanizar cachorros e gatos

Gato vestido de capitão

Humanizar cachorros e gatos é mais comum do que se imagina.

O mundo moderno faz com que cada vez mais pessoas vivam sozinhas ou tenham dificuldades nos relacionamentos sociais.

Adotar um animal de estimação pode ser uma ótima opção para quem deseja uma companhia agradável que lhe dê amor incondicional, compreensão e elevação da auto-estima.

Estamos vivendo em um mundo cada vez mais verticalizado, em espaços menores, e isso tem aproximado ainda mais os animais do nosso convívio diário. Muitos já dormem na cama do dono, assistem TV no sofá e fazem as refeições com a família de humanos.

Nada disso é ruim, desde que os donos respeitem as necessidades da espécie do animal. Não tratá-los como crianças humanas, pois, embora pareçam e se comportem como tal em diversas situações, continuam sendo animais.

Quais seriam então as atitudes do dono humano que caracterizam que ele está humanizando seu animal de estimação?

1 – Dar comida humana inadequada

É difícil resistir àquela carinha de “também quero” quando estamos comendo pizza ou chocolate. Os lindos cãezinhos que nos acompanham nas refeições são especialistas em fazer isso. Chegam a nos deixar desconfortáveis e culpados quando nos encaram insistentemente, até ganharem um pedacinho.

Só que pizza não é comida para cachorro e chocolate menos ainda. Mesmo aquele pedacinho de biscoito pode causar sérios problemas gástricos no cãozinho.

7 atitudes dos donos de humanizar os animais de estimação

2 – Colocar roupas desconfortáveis

Uma coisa é aquecer o animalzinho no frio. Outra é manter o hábito de lhe colocar roupinhas, independente da temperatura para enfeitá-los. Alguns animais se sentem confortáveis com determinados tipos de roupas. Outros se sentem estranhos e ficam até mal-humorados.

Alguns gatos podem ficar paralisados quando vestidos. Cachorros com pelos longos podem ficar completamente embolados se usarem roupas de lã e outros tecidos. Roupinhas que obrigam o animal a ficar em pé sobre as patas traseiras podem causar sérios danos à coluna.

7 atitudes que humanizam os animais de estimação

3 – Mimar demais

O mimo exagerado pode comprometer o comportamento do animal, que deixará de respeitar os limites saudáveis do relacionamento com os humanos. Principalmente em cachorros, foram observados problemas decorrentes como agressividade, transtorno obsessivo, ansiedade de separação, entre outros.

4 – Dar remédios humanos sem prescrição veterinária

É certo que alguns remédios humanos também servem para os animais e são até prescritos por veterinários. Outros, entretanto, são extremamente nocivos e podem até levar o animal a óbito.

Aspirina e paracetamol são exemplos de medicamentos proibidos para cães.

5 – Dar banhos em excesso

Algumas pessoas não admitem que seus animais fiquem sujinhos e os levam para pet shops ou mesmo dão banhos em casa em quantidade maior do que a necessária.

Cachorros que tomam mais de dois banhos por semana estão sujeitos a problemas de pele e alergia. Gatos são animais extremamente higiênicos e a grande maioria nem precisa tomar banho em pet shop.

Além disso, o banho pode ser um pesadelo estressante para o animal, sobretudo para aqueles que não gostam, agravando problemas neurológicos e cardíacos quando existentes.

6 – Levar para passear em carrinho de bebê

A menos que se trate de um animal idoso que não possa mesmo caminhar, passeio em carrinho de bebê tira a oportunidade do animal se exercitar, o que é extremamente necessário no caso de cachorros.

7 – Punir e dar broncas no animal

Os animais de estimação também fazem coisas erradas. Punir e dar broncas exageradas pode impedir comportamentos indesejáveis através de traumatização. Mas os traumas acarretam outros tipos de problemas que não desejamos. A melhor forma de educar um animal é através dos incentivos positivos e recompensa pelas atitudes corretas.

Amar um animal de estimação é muito mais do que querer transformá-lo em “gente”. Não há nenhum problema em chamá-lo de filho, nem de conversar com ele, tampouco de considerá-lo um membro da família.

O que não se pode esquecer é de procurar saber suas reais necessidades e agir de forma benéfica a ele, com alimentação e medicação adequadas, exercícios apropriados, incentivo a um comportamento social desejável e imposição de limites para o seu próprio bem-estar.

Quais das atitudes acima você tem com seu animalzinho de estimação?

Depois de ler essa publicação pretende mudar alguma coisa?

Deixe sua opinião no campo COMENTÁRIOS abaixo

  • Jacqueline Cohen adora animais, ler, pesquisar e escrever, assim como ajudar de alguma forma os animais carentes, que precisam de socorro e resgate.

Deixe um Comentário